Prefeitura de Curuá decreta situação de emergência por causa da enchente - AMAZOON NOTÍCIA

JURUTI 139 ANOS

Prefeitura de Curuá decreta situação de emergência por causa da enchente

Prefeitura de Curuá decreta situação de emergência por causa da enchente

Share This

 

Sede da prefeitura de Curuá (PA) (foto: Eury Silva/ Amazoon Notícia)

Segundo a Defesa Civil, mais de 1.100 famílias já foram afetadas na zona rural.

A Prefeitura de Curuá, no oeste do Pará, decretou na quarta-feira (27) situação de emergência por causa da enchente. O decreto assinado pelo prefeito Givanildo Picanço (Podemos), aponta que em virtude da inundação provocada pelo rio Curuá, dezenas de comunidades ribeirinhas já estão totalmente submersas.

No documento, a prefeitura afirma ainda que, com a elevação do nível do rio acima da média, essas localidades estão vulneráveis a ação das correntezas, ondas e vendavais, que danificam os assoalhos, paredes e telhados de casas, escolas, postos de saúde, microssistemas de abastecimento de água, grupos geradores, igrejas e barracões comunitários.

Na área de terra firme, estradas, ramais e vicinais estão intrafegáveis e algumas pontes apresentam danos estruturais, que têm resultado em grandes transtornos e prejuízos para dezenas de comunidades. Em algumas localidades, serviços essenciais como transporte, saúde e educação, precisaram ser suspensos.

Entre as famílias afetadas na área rural de Curuá, ao todo, segundo a prefeitura, 5.750 pessoas já foram atingidas nas áreas de várzea e terra firme, algo em torno de 1.150 famílias que estão sendo prejudicadas pelo fenômeno natural.

Segundo a secretaria de saúde, a procura de atendimento por pacientes acometidos com doenças provenientes do consumo da água do rio como diarreia e vômitos, principalmente crianças e idosos, já chegou ao dobro, em relação ao mesmo período do ano passado.

Cerca de 50 famílias precisaram sair de suas casas por conta da enchente, de acordo com a Defesa Civil Municipal.

A partir do decreto de situação de emergência, o município fica amparado para contratação emergencial de serviços e produtos sem licitação, desde que não ultrapasse a vigência de 180 dias consecutivos e ininterruptos.

Fica determinada também a mobilização de todas as áreas do governo para responder a esta situação. Foi autorizada ainda a entrada de agentes da Defesa Civil em imóveis particulares em situação de risco.

O decreto segue agora para o reconhecimento do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) para que o município receba ajuda humanitária e recursos do Governo Federal para auxiliar as famílias afetadas.



Por:
Érique Figueirêdo/ Redação Amazoon Notícia

Nenhum comentário:

Postar um comentário