Câmara de Vereadores de Óbidos denúncia ao MPPA assoreamento do igarapé Curuçambá - AMAZOON NOTÍCIA

JURUTI 139 ANOS

Câmara de Vereadores de Óbidos denúncia ao MPPA assoreamento do igarapé Curuçambá

Câmara de Vereadores de Óbidos denúncia ao MPPA assoreamento do igarapé Curuçambá

Share This

 

presidente da CMO Jalico Aquino, assinou o documento que formalizou a denúncia ao MPPA (foto: divulgação/ Comunicação CMO)

Documento foi assinado pelos vereadores Jalico Aquino e Erneisson Aquino

Na manhã desta quarta-feira (19), a Câmara Municipal de Óbidos, no oeste do Pará, formalizou ao Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), denúncia sobre os danos causados ao igarapé Curuçambá, com a invasão do material usado no trabalho de base para o asfaltamento da PA-437, que tem assoreado o leito de um dos atrativos turísticos naturais, mais conhecidos de Óbidos.

A denúncia ao MPPA, faz parte das ações propostas durante o debate realizado pela Casa Legislativa no dia 7 de janeiro, que contou com a participação de diversos representantes de sindicatos, entidades que representam a sociedade civil organizada, imprensa e profissionais liberais.

O documento, encaminhado oficialmente pela Câmara, está assinado pelo vereador presidente Jalico Aquino (PL) e vereador Erneisson Aquino (PSC).

Para o vereador Jalico a intervenção do Ministério Público é necessária, para evitar prejuízos ainda maiores ao igarapé e aos moradores que dependem do manancial.

"Essa é uma das propostas das quais foram colocadas em pauta no nosso debate, nela pedimos providências junto ao MPPA, para barrar essa triste situação, que não afeta apenas o local, como todo um ecossistema e comunidades onde o igarapé deságua, estamos a fazer nossa parte”, enfatizou Aquino.

Veja as outras ações que ainda devem ser adotadas, para conter o assoreamento do igarapé Curuçambá

1) Convocação do secretário regional do Baixo Amazonas, Henderson Pinto e do Presidente da ALEPA, deputado Chicão para dar explicações sobre a obra na PA-437;

2) Verificar se há estudo de impacto ambiental e licenciamento ambiental autorizando a empresa L.O Franco a realizar a obra;

3) Encaminhar a ata da reunião e um relatório ao Governo do Estado, informando sobre o impacto que está ocasionando no igarapé o atraso da obra;

4) Que o SEBRAE verifique junto ao proprietário do ponto comercial existente no Curuçambá, a realização de ações que visem a preservação daquele patrimônio histórico e natural do município de Óbidos;

5) Preparar um relatório apontando quais medidas de contenção devem ser realizadas na área do igarapé, pois o asfalto irá resolver parte do problema, contudo se não tiver medida de contenção, a erosão vai continuar;

6) Notificar a empresa para que adote as providências cabíveis em relação as contenções que se fazem necessárias para evitar a continuação do processo de assoreamento;

7) Que seja verificado o projeto da obra e o contrato com a empresa, que são regidos por cláusulas, para saber se há a possibilidade de o município cobrar do Estado ou da empresa e, que sejam fixados prazos para as respostas dos ofícios que serão encaminhados.

Por:
Redação Amazoon Notícia

Nenhum comentário:

Postar um comentário