Prefeitura de Alenquer comprou em março deste ano grande lote de Hidroxicloroquina e Ivermectina para tratamento de Covid-19, denuncia conselho de saúde - AMAZOON NOTÍCIA

JURUTI 139 ANOS

Prefeitura de Alenquer comprou em março deste ano grande lote de Hidroxicloroquina e Ivermectina para tratamento de Covid-19, denuncia conselho de saúde

Prefeitura de Alenquer comprou em março deste ano grande lote de Hidroxicloroquina e Ivermectina para tratamento de Covid-19, denuncia conselho de saúde

Share This

Foto/reprodução divulgação internet

Prefeitura de Alenquer comprou em março deste ano grande lote de Hidroxicloroquina e Ivermectina para tratamento de Covid-19, denuncia conselho de saúde

A Secretaria Municipal de Saúde de Alenquer, no oeste do Pará, entrou na mira do Conselho Municipal de Saúde do município depois que fechou um contrato no valor de R$ 700.280,00 para a aquisição de seis mil comprimidos de Hidroxicloroquina 400 mg e 22 mil comprimidos de Ivermectina 2mg. Só esses dois medicamentos custaram aos cofres públicos R$ 109.200,00. Na lista, há vários outros remédios, porém, o que chamou a atenção do Conselho foi a descrição desses dois fármacos, justificados pela pasta para uso no tratamento contra a Covid-19.


Apesar de não ter comprovação científica alguma desses medicamentos no tratamento da doença, a Secretaria de Saúde firmou um contrato para a compra de lotes de Ivermectina e Hidroxicloroquina. O documento é assinado por Elizangela Marinho Maia, secretaria de Saúde. O contrato foi assinado no último dia 18 de março, com uma empresa de Manaus, a Cruz Comércio de Medicamentos Ltda., sediada na rua Alteia, número 157, no bairro Jorge Teixeira, na Zona Leste da capital amazonense. Inscrita no CNPJ número 26.748.035/0001-05, a empresa é representada pelo senhor Anderson Ricardo Carvalho da Cruz, que reside no mesmo bairro onde está sediada a empresa. 


Segundo documentos divulgados pelo Conselho Municipal de Saúde de Alenquer, que denúncia a aquisição desses medicamentos, alegando que em momento algum, a entidade foi informada desta compra, trata-se da contratação direta emergencial de empresa especializada em aquisição de medicamentos necessários para tratamento medicamentoso nas fases moderado e crítica para atender as demandas do enfrentamento da Covid-19, no município de Alenquer.



Até hoje, nenhum estudo apontou eficácia da cloroquina no tratamento contra a Covid-19. Várias prefeituras, inclusive, estão na mira do Supremo Tribunal Federal (STF) e Tribunal de Contas da União (TCU), por estarem mantendo essas substância em estoque e distribuindo para tratar a doença causada pelo novo coronavírus.


A cloroquina e seu derivado, a hidroxicloroquina, são medicamentos amplamente usados no combate de doenças como lúpus a artrite reumatoide. Mas ganharam visibilidade após o presidente Jair Bolsonaro defender seu uso desde o início da pandemia.


Para o conselho, a aquisição desses medicamentos sem eficácia é no mínimo duvidosa e questionável, uma vez que a Ivermectina e Hidroxicloroquina não devem ser usadas no tratamento contra a Covid-19.

 

A ivermectina, por exemplo, é prescrita para tratamento de condições causadas por vermes e parasitas.


O Conselho Municipal de Saúde de Alenquer, como órgão fiscalizador, tornou pública a compra dos medicamentos e informou que está tomando as providências que o caso requer. A entidade informa que o fornecimento de medicamento para as unidades e postos de saúde do município é precária, porém, nada justifica a aquisição de remédios que não têm qualquer efeito comprovado no tratamento de uma doença que já causou a morte de mais de 430 mil pessoas. 

Oestadonet


Nenhum comentário:

Postar um comentário