Peritos criminais são treinados para uso de software da Polícia Federal - AMAZOON NOTÍCIA
Peritos criminais são treinados para uso de software da Polícia Federal

Peritos criminais são treinados para uso de software da Polícia Federal

Share This
Peritos criminais do setor de Informática Forense do CPC Renato Chaves receberam treinamento, nesta sexta-feira, 19, para uso do sistema IPED, software desenvolvido pela Polícia Federal e que foi disponibilizado ao setor com o objetivo de trazer mais agilidade para as perícias em mídias computacionais. Outros Estados já utilizam o sistema.
O Centro de Perícias, a partir de agora, conta com mais uma ferramenta de auxílio à Justiça em casos que necessitam da atuação do perito criminal. Além de trazer mais agilidade as perícias em mídias, o sistema proporcionará economia ao Centro, pois não tem custos e substituirá sistemas que eram pagos e não ofereciam praticidade de utilização, o acesso era restrito a determinada quantidade de peritos, fazendo com que as perícias atrasassem.
O Indexador e Processador de Evidências Digitais (IPED) foi desenvolvido por peritos federais para a análise de registros digitais armazenados em mídias, como discos rígidos, DVD, pendrive e CD. Além de possuir a capacidade de recuperar arquivos deletados, detecta criptografia e nudez, reconhecimento óptico de caracteres e visualização integrada de arquivos. O sistema é multiplataforma, permite a análise de número elevado de dados e foi criado para a Operação Lava-jato.
Ministrado pelos peritos federais Eduardo Galvão e Wesley Rodrigues, o treinamento foi baseado em estudos de casos onde os peritos do CPC atuaram, entre eles a Operação Luz da Infância, deflagrada em outubro passado, em 24 Estados e no Distrito Federal com o intuito de combater a pedofilia, e a Operação Gramacho para combate a crimes ambientais no Aterro Sanitário de Marituba, realizada em dezembro, onde foram apreendidas mídias, HD e equipamentos eletrônicos.
Para o perito criminal Marcelo Maués, o sistema é essencial para as perícias em mídias, pois a era digital está em constante modernização e o software acompanha estas mudanças. “O sistema foi desenvolvido no país e de acordo com a sua realidade e está se atualizando sempre. Além de trazer mais agilidade para o trabalho pericial, traz economia para a Instituição, pois não tem custos. A diferença para os softwares pagos é que não acompanham rapidamente a modernização do Brasil, já que são desenvolvidos nos Estados Unidos”, finalizou o perito.



Fonte: Comunicação CPC-Pará